Thursday, 20 August 2009

MULHER CABO VERDIANA


Para todas mulheres que trabalham com garra
na graça e na ginga feminina!

Cabo Verde, ago09
*..*.
.*


corpos
mosaicos
perfumes

no trabalho do transporte
na labuta da cestaria
no caminho das mulheres

cestos
na cabeça

panos
na cintura

esperanças
na alma

[mimi]
*..*.
.*








4 comments:

virgínia vicamf além mar said...

além de comover-me com as histórias de viagem amiga Michèle ainda presenteia com tua artpoética
belíssima

a simplicidade da vida -labuta pelo real contrasta com o envaziamento de valores das grandes metrópolis e a mim encanta particularmente, uma identidade que desejo preservar, reminiscências de uma cultura anterior ao consumismo avassalador.
abraços agradecidos Mimosa mestra

Michèle Sato said...

muitos sustos nos perseguiram, essencialmente para aqueles que se recusam a se vacinar contra as violências do mundo. Mas muitos acalentos também chegaram, às almas ávidas que teimam em mudar o mundo...

muito o que se fazer, ler, aprender...
muito o que labutar à esperança do mundo!
*

Andrea Azevedo said...

querida Mi, nao li tudo, mas o pouco que li, achei comovente e intrigante. A chegada em um país desconhecido é sempre uma expectativa. Senti muito essa senexitaçao qdo cheguei ao Peru, tb na mesma época q voces. Senti mta diferença do brasil, mas ao mesmo tempo um traço de semelhança incrivel que cruza toda america latina. fiquei imaginando o Che qdo viajou pela america latina! a presença da tradiçao dos "quechuas" no Peru é forte demais. como eles conseguiram ficar tao firmes nas tradicoes? talvez foi o que lhes propriciou a propria sobrevivencia....
adorei ver as fotos de vcs!
beijocas/ andrea

Michèle Sato said...

é verdade déa
e há tanta coisa que não conhecemos, não? como explicar a mesma figura na pista de cuzco e no deserto do saara, por ex?

cada viagem que faço é um renascimento. Os antigos filósofos diziam que só aprendemos qdo viajamos. acho q eles têm razão.

beijoca e obrigada pelo comentário
*