Wednesday, 29 July 2020

DE MIRÓ A REMBRANDT: 13 ESTÚDIOS DE ARTISTAS FAMOSOS QUE VOCÊ PODE VISITAR PELO MUNDO



DE MIRÓ A REMBRANDT: 13 ESTÚDIOS DE ARTISTAS FAMOSOS QUE VOCÊ PODE VISITAR PELO MUNDO

Os ateliês dos artistas fornecem um tesouro de insights sobre suas práticas e personas. Se eles finalmente se tornam museus ou são gerenciados por fundações, os esforços de restauração permitem que esses espaços sejam preservados e apreciados muito tempo após a sua morte.

A seguir, são apresentados diversos estúdios de artistas famosos que você pode visitar pessoalmente pelo mundo. Confira:

1 – JOAN MIRÓ – MALLORCA, ESPANHA

O pintor, escultor e gravador espanhol Joan Miró – conhecido por suas esculturas biomórficas e composições abstratas inspiradas tanto pela cena dadaísta com a qual ele se envolveu em Paris quanto pela caligrafia japonesa – cresceu passando um tempo em Mallorca com sua avó. Quando ele se mudou para lá permanentemente de Barcelona, ​​aos sessenta anos, ele destruiu muitos de seus trabalhos anteriores por completo, abrindo caminho para uma nova fase de criatividade que o próprio estúdio (pela primeira vez) proporcionou.

Fundació Pilar i Joan Miró, que ele estabeleceu para preservar seus estúdios, em parte como inspiração para futuros artistas, inclui não apenas o primeiro estúdio de Miró e um museu de suas obras, mas também Son Boter, uma propriedade rural do século 18 atrás sua própria casa que ele comprou como espaço para fazer obras em grande escala. Hoje, sua garagem abriga uma oficina de gravura em funcionamento, atualizada desde os tempos de Miró.

2 – BARBARA HEPWORTH – CORNWALL, INGLATERRA

No início da Segunda Guerra Mundial, a escultora britânica Barbara Hepworth se estabeleceu na cidade de St. Ives, em Cornwall, com seu segundo marido, o artista Ben Nicholson. Ela encontrou o Trewyn Studio uma década depois e viveu e trabalhou lá por cerca de 25 anos. Hepworth criava suas esculturas – peças modernas de pedra, madeira, além de moldes de gesso e bronze exclusivas – no quintal da casa, em dois estúdios ao ar livre e na própria casa.

De acordo com suas instruções, a propriedade – incluindo o jardim que ela curou para exibir suas esculturas – foi transformada em museu depois que ela morreu e é operada pelo Tate  desde 1980. O estúdio de escultura permanece praticamente como ela o deixou, enquanto o estúdio de gesso agora inclui ferramentas e trabalhos em andamento destinados a dar ao espaço um foco educacional e narrativo.

3 – CONSTANTIN BRÂNCUSI – PARIS, FRANÇA

escultor romeno Constantin Brâncusi viveu em Paris por mais de 50 anos. Originalmente localizada ao longo de um beco chamado Impasse Ronsin, sua casa e estúdio atraiu artistas de destaque como Yves KleinJean TinguelyMax Ernst e Niki de Saint Phalle, nos anos 50 e 60. Brancusi não apenas criou suas obras esculturais lá, mas também desenvolveu uma espécie de museu pessoal para exibi-las. Ele imaginou suas peças em agrupamentos e as reorganizou para alcançar uma sensação de perfeita harmonia, deixando de fazer novos trabalhos e preenchendo o espaço vazio com moldes de gesso, se ele vendesse uma peça.

Quando morreu, deixou tudo em seu estúdio para o governo francês – e especificou que o espaço deveria ser perfeitamente recriado. O estúdio reconstruído e realocado agora existe dentro de um espaço semelhante a um museu, projetado por Renzo Pianoao lado do Centre Pompidou – e abriga cerca de 137 esculturas de Brancusi.

4 – GEORGIA O’KEEFE – ABIQUIÚ, NOVO MÉXICO, EUA

Em 1949, muito depois de começar a criar suas pinturas icônicas e abstratas de flores, Georgia O’Keefe deixou Nova Iorque e cruzou o país para continuar suas observações mais próximas do mundo natural nas planícies desérticas do Novo México. Lá, sua casa e estúdio, em Abiquiú – que ela comprou em 1945 – agora é um marco histórico nacional, operando em conjunto com o campus de Santa Fe do Georgia O´Keeffe Museum.

Enquanto ela morava e trabalhava no edifício ao longo de cerca de 30 anos, O’Keeffe criou dezenas de pinturas baseadas na casa e nos arredores, incluindo a vista do Rio Chama. Os visitantes podem reservar passeios até pouco antes do Dia de Ação de Graças, antes do fechamento do edifício durante a temporada, até março.

5 – FRANCIS BACON – DUBLIN, IRLANDA

Seis anos após a morte de Francis Bacon, em 1992, uma equipe de arqueólogos, curadores e conservadores transferiu todo o seu estúdio em Londres para The Hugh Lane, uma galeria de arte municipal em Dublin, local de nascimento de Bacon. O espaço foi recriado para refletir a condição exata em que Bacon o deixou – a saber, uma bagunça. Foi a casa e o local de trabalho do artista por três décadas, e a reconstrução de Dublin inclui tudo, desde a estrutura física em si até a poeira acumulada do espaço.

bebida e o deboche de Bacon são evidentes no caos de tintas e pincéis; roupas que ele costumava transferir texturas para suas telas; fotografias dele e de seus conhecidos; pinturas destruídas em andamento; trabalhos em papel; a porta e as paredes onde ele misturava tintas, em vez de usar uma paleta; páginas soltas de livros que serviram como material de origem; e uma réplica da cabeça de William Blake, em gesso. Tanto o esforço de realocação quanto a catalogação de milhares de objetos restantes no estúdio foram inovadores na prática de arquivamento de museus.

6 – IRMA STERN – CIDADE DO CABO, ÁFRICA DO SUL

Nascida na África do Sul, filha de pais alemães e educada em artes na Alemanha (Max Pechstein era seu mentor), Irma Stern teve inspiração artística em suas viagens pela África e Europa. Pintou retratos psicológicos e expressionistas, bem como naturezas-mortas e paisagens, e também fez esculturas. Seu trabalho de vanguarda foi recebido pela primeira vez com críticas na África do Sul apesar de uma recepção inicial positiva na Europa.

Eventualmente, no entanto, ela foi elogiada como uma das artistas proeminentes da África do Sul. A casa dos anos 1830, onde ela viveu e trabalhou por cerca de quatro décadas, é aberta ao público como o Museu Irma Stern. O estúdio de Stern, assim como sua sala de jantar e sala de estar, são mobiliados como quando ela os deixou, com artefatos ecléticos de suas viagens, além de uma seleção de seu trabalho, que o museu pendurou nas paredes. O segundo andar funciona como uma galeria rotativa dedicada à arte contemporânea da África do Sul.

7 – JACKSON POLLOCK E LEE KRASNER – EAST HAMPTON, NOVA YORK, EUA

Jackson Pollock e Lee Krasner se conheceram em 1941, antes de uma exposição coletiva que incluía os dois jovens expressionistas abstratos. Eles se casariam em 1945 e, apenas duas semanas depois, se mudariam para sua casa em East Hampton. Pollock renovou e usou um celeiro na propriedade como seu estúdio, onde Krasner trabalhou após a morte de Pollock em 1956. As tábuas do assoalho são salpicadas com os vestígios da pintura de ação de Pollock – que os conservadores encontraram e preservaram durante a reforma.

Enquanto isso, as paredes exibem fotografias e textos relacionados às carreiras de ambos e mostram vestígios físicos das pinturas de Krasner. Ela estipulou que a casa (onde ela originalmente pintou) e o estúdio são um local de conhecimento sobre as práticas dela e de Pollock e um recurso educacional mais amplo para estudantes de arte moderna na América, e o lugar agora possui um centro de estudos que inclui arquivos e entrevistas. Este marco histórico nacional está aberto sazonalmente, de maio a outubro.

8 – RENÉ MAGRITTE – BRUXELAS, BÉLGICA

Em sua casa em Bruxelas, o artista surrealista René Magritte organizava rotineiramente exposições para seus compatriotas – com tanta frequência, de fato, que o espaço se tornou uma base para os surrealistas belgas. Lá, ele também pintou quase a metade de suas obras intrigantes, muitas vezes usando seus próprios itens domésticos como inspiração.

Magritte e sua família se mudaram em 1954, e a casa passou pelas mãos de vários inquilinos antes de ser comprada e restaurada como museu nos anos 90. Usando documentos históricos, incluindo registros de leilão, fotos e entrevistas, o René Magritte House Museum recriou o estúdio como parecia nos dias do artista. Na parte de cima da casa, o museu exibe as pinturas e os materiais de arquivo de Magritte e monta exposições rotativas de artistas parecidos. Também está em processo de expansão para o prédio ao lado, para exibir mais de sua coleção de cerca de 650 obras de arte moderna.

9 – DAVID IRELAND – SÃO FRANCISCO, CALIFÓRNIA, EUA

Quando David Ireland comprou uma casa geminada de 1886 no Distrito Missionário de São Francisco, o artista conceitual da Bay Area imaginou um espaço combinado de trabalho ao vivo. Durante as três décadas em que esteve lá, ele transformou a casa no que é considerado uma obra de arte por si só. Como uma espécie de ato performativo – uma “ação de manutenção”, como ele a chamava – ele não apenas limpou a casa, mas também removeu as guarnições das janelas e rodapés, lixou o chão e preservou rachaduras e descolorações nas paredes com poliuretano, para expor o ambiente, a estrutura da casa e escavar sua história.

Enquanto isso, ele criou esculturas e instalações a partir de objetos e materiais que encontrou durante a limpeza, como elásticos, vassouras e sujeira. Reaberta ao público no ano passado após a conservação e renovação, 500 Capp Street Foundation, preservou o espaço existente e adicionou metragem quadrada para exibir e arquivar trabalhos. A casa e a garagem apresentam exposições rotativas das obras de Ireland, bem como uma série de outros artistas.

10 – FRIDA KAHLO – CIDADE DO MÉXICO, MÉXICO

À medida que se explora mais profundamente o trabalho de Frida Kahlo e desfruta do privilégio de conhecer sua casa, começa-se a descobrir as intensas inter-relações entre Frida, seu trabalho e seu lar. Seu universo criativo pode ser encontrado na Casa Azul, o lugar onde ela nasceu e onde morreu.

Localizada em um dos bairros mais antigos e bonitos da Cidade do México, a Casa Azul foi transformada em museu em 1958, quatro anos após a morte da pintora. Hoje é um dos museus mais populares da capital mexicana.

11 – DIEGO RIVERA – CIDADE DO MÉXICO, MÉXICO

As casas gêmeas de Diego e Frida, atual sede do Museu Casa Estúdio, foram encomendadas por Diego Rivera em 1931, para o jovem arquiteto e amigo da família, Juan O’Gorman. Esta importante obra foi uma das primeiras construções funcionalistas da América Latina, incorporando o estilo orgânico mexicano de maneira muito natural. O conjunto abrange uma casa para Frida e outra para Diego, com um estúdio em cada uma delas.

Nesse espaço, sede da coleção de Rivera, de Judas e Calaveras, de arte pré-histórica e artesanatos mexicanos, Frida consolidou-se como pintora executou em seu estúdio obras como “Lo que el agua me dio“, “El ojo avizor“, “El difunto Dimas” e “Las dos Fridas“, entre outras notáveis pinturas. Seu marido, por sua vez, pintou cerca de três mil quadros no estúdio.

O muralista permaneceu na casa até o dia que faleceu, em 24 de novembro de 1957. Em seguida, sua filha, Ruth Rivera Marin, herdou a propriedade e doou-a ao Instituto Nacional de Belas Artes (INBA). Em 1994, o INBA efetuou seu restauro e reabilitação e, no ano de 1998, ela foi reconhecida como Patrimônio Artístico da Nação. Atualmente no estúdio de Diego Rivera estão expostos seus materiais de trabalho e as pinturas e objetos pessoais de sua esposa.

12 – FRANCISCO BRENNAND – RECIFE, PE, BRASIL

Oficina Brennand surge em 1971 nas ruínas de uma olaria datada do ano de 1917, a antiga fábrica de tijolos e telhas herdada de seu pai – o industrial Ricardo Lacerda de Almeida Brennand. Cercada por remanescentes da Mata Atlântica e pelas águas do Rio Capibaribe, a Oficina constitui-se num conjunto arquitetônico monumental de grande originalidade, em constante processo de mutação, pois ainda é possível encontrar Francisco Brennand produzindo e criando esculturas cerâmicas em seu espaço.

São 15 km² de área construída. O complexo conta com espaços como a Accademia (Pinacoteca), o Anfiteatro, o Salão de Esculturas, o Templo Central, o Templo do Sacrifício, o Estádio (espaço destinado à realização de eventos), auditório, capela Imaculada Conceição (projetada pelo arquiteto Paulo Mendes da Rocha), loja de souvenirs e objetos utilitários, Brennand Café, além de jardins projetados por Burle Marx.

13 – REMBRANDT – AMSTERDÃ, HOLANDA

Rembrandt foi um pintor holandês, considerado um dos maiores nomes da história da arte europeia e o mais importante da história holandesa. Rembrandt viveu e produziu grande parte de suas obras entre 1639-1658. Seu estúdio está praticamente como era há quase 400 anos: pequenos objetos de sua coleção decoram o cômodo: pinceis, esculturas e outras coisas ficam penduradas nas paredes. Todos os dias, também, demonstrações de como o pintor produzia suas tintas são ensinadas aos visitantes. Estar no mesmo local onde Rembrandt passou horas, dias, meses pintado quadros inesquecíveis e que entraram para a história não é pouca coisa.

Museu Casa de Rembrant não é uma casa qualquer. Localizado perto de grandes pontos turísticos, como o Museu Hermitage, a feira de pulgas Waterlooplein e o Distrito da Luz Vermelha, o local merece a visita. Primeiro por mostrar a casa e a coleção curiosa do artista; segundo, como moravam os ricos holandeses naquela época, seus costumes, além de contar um pouco da história de Amsterdam e você poder entrar na vida do artista.

Fonte: ArtsyArchdaily, Vontade de Viajar.

Marjorie Simões é designer de interiores e artista visual. Curiosa, observadora e pesquisadora, adora aprender coisas distintas para depois conectá-las. Valoriza os trabalhos manuais, a cultura vernacular, a economia criativa e a produção/consumo sustentável. Acredita no poder das cores e tem leves faniquitos quando entra em ambientes beges.

Saturday, 18 July 2020

O efeito caótico das fake news como armas poderosas

PNB online
https://www.pnbonline.com.br/geral/o-efeito-caa-tico-das-fake-news-como-armas-poderosas/68085?fbclid=IwAR0HEofOgTgFjVXyZqlzq7z-sxB6zmKXE2ivRFshZ0pip1wg2MwL0NVFOzQ


GeralSexta-Feira, 17 de Julho de 2020, 14h:29 | - A | + A


PANDEMIA

O efeito caótico das fake news como armas poderosas

Déborah Santos e Michèle Sato, do Grupo Pesquisador em Educação Ambiental, Comunicação e Arte (GPEA) da UFMT, afirmam que as notícias falsas obstruem o papel da imprensa.

da Redação

Marcello Casal Jr / Agência Brasil

Celular máscara coronavírus

 

No Brasil, a pandemia do novo coronavírus em pouco mais de 120 dias trouxe à tona uma série de fenômenos sociais que revela a utilização das fake news (notícias falsas) na tática que os cientistas definem como “Revolução Colorida”. De acordo com as pesquisadoras do Grupo Pesquisador em Educação Ambiental, Comunicação e Arte (GPEA) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Déborah Santos e Michèle Sato, as fake news são uma arma poderosa nessa revolução.

 

“As redes sociais aceleram a articulação para que a Revolução Colorida ocorra com mais vigor. Elas possibilitam que pessoas se reúnam de modo muito ágil fomentando a formação de enxames. As chamadas fake-news são verdadeiras armas coloridas, que obstruem o papel da imprensa séria, confundindo datas de eventos, fotografias, narrativas e invenções que objetivam desmoralizar as pessoas, denegrir as ciências ou caluniar a seriedade do jornalismo investigativo”, descrevem as pesquisadoras no artigo “Guerras Híbridas: para além do verde e amarelo”. 

 

O grupo de pesquisa da UFMT fez uma contextualização do atual cenário brasileiro a partir do livro “Guerras híbridas – das revoluções coloridas aos golpes”, do jornalista Andrew Korybko, que entre outras coisas analisa os conflitos entre Estados Unidos, Rússia e China. “Em meio ao caótico em que as guerras hibridas se estruturam, certos governos se mantêm no poder com auxílio da disseminação de fake-news, como é o caso do presidente Jair Bolsonaro, que comanda o país destruindo a natureza e a sociedade brasileira. Cultura e ambiente são dimensões intrínsecas do planeta, que na pandemia, mostraram a tragédia e o abismo social: ao desmatar as florestas, o vírus foi liberto, e se o contágio da covid-19 foi grande entre os ricos, a morte está presente nas periferias”, aponta o estudo. 

“As chamadas fake-news são verdadeiras armas coloridas, que obstruem o papel da imprensa séria, confundindo datas de eventos, fotografias, narrativas e invenções que objetivam desmoralizar as pessoas, denegrir as ciências ou caluniar a seriedade do jornalismo investigativo”

 

“Guerras Híbridas: a Revolução Colorida e a Guerra Não Convencional - ambas visam a instauração do golpe e a troca de regime político”, segundo definição de Andrew Korybko, em 2015. Ou seja, historicamente as “revoluções coloridas têm auxiliado a instaurar o golpe brando e caso este não seja suficiente para concretizar a troca de governo, a guerra não convencional auxilia a concretizar o golpe rígido”, afirmam as pesquisadoras do GPEA. 

 

Déborah Santos e Michèle Sato avaliam que as guerras indiretas têm sido amplamente usadas pelos Estados Unidos para desestabilizar e minar os países que não estão alinhados com a política imperialista, usando estratégias capazes de derrotar o inimigo sem utilizar armas convencionais e sem enfrentá-lo diretamente. “São as armas coloridas que vieram para confundir, criar conflitos, gerar inseguranças e raiva, fazendo com que as pessoas percam confiança nas ciências, nas notícias sérias ou até da Organização Mundial de Saúde (OMS)”, alertam as pesquisadoras. 

"Diversas zoonoses ocorreram destes ambientes invadidos, e assim a covid-19 não se limita a ser uma pandemia sanitária, mas ela é oriunda de uma crise global de queima e de colapso climático".

 

Pandemia 

 

A pandemia do novo coronavírus associada à disseminação das fake news tem um resultado dramático na sociedade. “É surpreendente o número de notícias falsas que vem trazendo conflitos, causando discórdias, dúvidas e inseguranças neste mundo ameaçado pela crise climática, originária da forte industrialização, da pesada mecanização da agricultura e dos modelos consumistas de vida que seduziram a sociedade por meio da palavra ‘desenvolvimento’. Por intermédio ‘desta ordem e deste progresso’ foi estabelecida uma hierarquia que o humano poderia dominar a terra, devastando florestas, poluindo ares, destruindo rios e matando vidas”, ressaltou Michèle Sato ao lembrar da análise feita por ela em entrevista ao PNB Online sobre o assunto em maio deste ano. 

 

Leia mais: "Mundo será igual se o ser humano não aprender", alerta pesquisadora para o pós-pandemia 

 

 

Veja o artigo na íntegra:

 

GUERRAS HÍBRIDAS: PARA ALÉM DE VERDE E AMARELO

 

Déborah Santos e Michèle Sato

GPEA-UFMT

 

É surpreendente o número de notícias falsas (fake-news) que vem trazendo conflitos, causando discórdias, dúvidas e inseguranças neste mundo ameaçado pela crise climática, originária da forte industrialização, da pesada mecanização da agricultura e dos modelos consumistas de vida que seduziram a sociedade por meio da palavra “desenvolvimento”. Por intermédio “desta ordem e deste progresso” foi estabelecida uma hierarquia que o humano poderia dominar a terra, devastando florestas, poluindo ares, destruindo rios e matando vidas.

 

A invasão nestes territórios, fez com que o humano tivesse contato com seres que estavam ajustados com a natureza, numa dinâmica da ecologia. Façamos um mea culpa em assumir que as ciências auxiliaram este desenvolvimento, trazendo a falsa ilusão de que o vencedor será aquele com mais moedas. Diversas zoonoses ocorreram destes ambientes invadidos e as próximas pandemias podem surgir do degelo dos polos, ou da floresta Amazônica. Assim, a Covid-19 não se limita a ser uma pandemia “sanitária”, mas ela é oriunda de uma crise global de queima e de colapso climático.

 

Contudo, muitos negam que o ser humano interfere no clima. Assim como negam o desempenho das vacinas e, muito terrivelmente, depreciam as ciências e negam que uma pandemia se alastra no globo, eliminando milhões de vidas. Este “negacionismo” não se limita à Terra plana, mas tem raízes no que Korybko (2015) intitula de “GUERRAS HÍBRIDAS E ARMAS COLORIDAS”.

 

As guerras híbridas, ou indiretas, têm sido amplamente usadas pelos Estados Unidos da América (EUA) para desestabilizar e minar os países que não estão alinhados com a política imperialista, usando estratégias capazes de derrotar o inimigo sem utilizar as armas convencionais e sem enfrentá-lo diretamente. Esse tipo de evento é difícil de identificar por se apresentar irregular, indireto e não linear (KORYBKO, 2015). São as armas coloridas que vieram para confundir, criar conflitos, gerar inseguranças e ira, fazendo com que as pessoas percam confiança nas ciências, nas notícias sérias ou até da Organização Mundial de Saúde (OMS). 

 

Duas estratégias são utilizadas nessas Guerras Hibridas: a Revolução Colorida e a Guerra Não Convencional - ambas visam a instauração do golpe e a troca de regime político. De acordo com Korybko (2015), historicamente as Revoluções Coloridas têm auxiliado a instaurar o golpe brando e caso este não seja suficiente para concretizar a troca de governo, a Guerra Não Convencional auxilia a concretizar o golpe rígido.

 

Dentre essas dimensões, as redes sociais aceleram a articulação para que a Revolução Colorida ocorra com mais vigor, elas possibilitam que pessoas se reúnam de modo muito ágil fomentando a formação de enxames. As chamados fake-news são verdadeiras armas coloridas, que obstrui o papel da imprensa séria, confundindo datas de eventos, fotografias, narrativas e invenções que objetivam desmoralizar as pessoas, denegrir as ciências ou caluniar a seriedade do jornalismo investigativo.

 

Em meio ao caótico em que as guerras hibridas se estruturam, certos governos se mantêm no poder, com auxílio da disseminação de fake-news, como é o caso do Bolsonaro, que comanda o país destruindo a natureza e a sociedade brasileira. Cultura e ambiente são dimensões intrínsecas do planeta, que na pandemia, mostraram a tragédia ecológica e o abismo social: ao desmatar as florestas, o vírus foi liberto, e se o contágio da Covid-19 foi grande entre os ricos, a morte está muito mais presente nas periferias.

 

Referência

KORYBKO, Andrew. Guerras Híbridas: a abordagem adaptativa indireta com vistas à troca de regime. 2015.

 

Déborah Santos e Michèle Sato são pesquisadoras do Grupo Pesquisador em Educação Ambiental, Comunicação e Arte (GPEA) da UFMT.

DE MIRÓ A REMBRANDT: 13 ESTÚDIOS DE ARTISTAS FAMOSOS QUE VOCÊ PODE VISITAR PELO MUNDO

https://followthecolours.com.br/traveluv/estudios-de-artistas-famosos/?utm_campaign=coschedule&utm_source=facebook_page&utm_medium=F...