Posts

Showing posts from July, 2015

Saiba porque a flor de lótus é um dos símbolos mais antigos e profundos do nosso planeta

Image
http://www.contioutra.com/saiba-porque-a-flor-de-lotus-e-um-dos-simbolos-mais-antigos-e-profundos-do-nosso-planeta/


Saiba porque a flor de lótus é um dos símbolos mais antigos e profundos do nosso planeta A flor de Lótus é uma espécie de flor aquática, com muitos significados para os países do Oriente, especialmente o Japão, o Egito e a Índia. Ela é considerada sagrada e um dos símbolos mais antigos e mais profundos do nosso planeta. Nos ensinamentos do budismo e hinduísmo, a flor de lótus simboliza o nascimento divino, o crescimento espiritual e a pureza do coração e da mente. O significado da flor de lótus começa em suas raízes – literalmente! A flor de lótus é um tipo de lírio d’água, cujas raízes estão fundamentadas em meio à lama e ao lodo de lagoas e lagos. O lótus vai subindo à superfície para florescer com notável beleza. O simbolismo está especialmente nesta capacidade de enfrentar a escuridão e florescer tão limpa, tão bonita e tão especial para tantas pessoas. À noite as p…

O SURREALISMO E O ZEN

http://comolhosolhando.blogspot.com.br/2010/03/o-surrealismo-e-o-zen.html


O SURREALISMO E O ZEN EURICO
O SURREALISMO E O ZEN
O automatismo psíquico puro na origem da
pintura gestual caligráfica de inspiração zen
Dalila d’ Alte Rodrigues


O Surrealismo é um movimento de intervenção poética, que aspira à libertação total do homem, de acordo com as suas mais profundas aspirações, convicções e inquietações interiores. Ao assumir a Arte como um meio de expressão livre e criativa, o Surrealismo exalta a imaginação sem fronteiras que, segundo Baudelaire, permanece a “rainha das faculdades”, à qual André Breton se referiu nos seguintes termos: Querida imaginação: o que eu mais aprecio em ti é que tu não perdoas… Ou, como diz Mário Cesariny: Só a imaginação transforma; só a imaginação transtorna.
Ao longo de mais de 60 anos de actividade, a obra de Eurico Gonçalves desenvolve-se entre dois vectores constantes: a “inocência original” e a dimensão onírica da “poética do maravilhoso”, numa inter-relação…