Saturday, 28 April 2012

VETA, DILMA!!!


ART BY EICHWALDMOND - AUSTRIA
"manifesto contra o código florestal"


VETA, DILMAAAAAAA!!!!
contra o código florestal ruralista!
*

Monday, 23 April 2012

Entre asas e raízes

POESIA DE ELIANA FARO VALENÇA
~ minha irmã que adoro


Entre asas e raízes
Eliana f.v. – Li Andorinha


Quero aprender a ser árvore
Embriagar-me de sol e luar
Ouvir e falar pela alma
Agir com a magia do seu balançar


Viver plenamente a alegria
De toda energia independente
Desconhecendo credo ou juízo...


Farfalhar no afago da brisa
Deixando o canto das cigarras
Fazer ninho em minha pele


Para nessa simbiose perfeita
Entre asas e raízes... 
Ser o eco do pulsar cósmico 
A revelar o sentir dos passarinhos! 


*

“O chamado da Mãe Terra” (Partes 1 e 2)

combate ao racismo ambiental
http://racismoambiental.net.br/2012/04/belissimo-o-chamado-da-mae-terra-partes-1-e-2/


Belíssimo: “O chamado da Mãe Terra” (Partes 1 e 2)

Por , 22/04/2012 00:01
Enviados por Frei Alamiro, em homenagem ao 22 DE ABRIL – DIA INTERNACIONAL DA “IRMÃ E MÃE TERRA”.
O Chamado da Mãe Terra (“SOS Tierra – EL LLAMADO”). REALIZAÇÃO: Grupo Operación Ecológica. Centro de Información y Comunicación Ambiental de Norteamérica AC; Centro de Información de las Naciones Unidas para México, Cuba y República Dominicana.

No Dia da Terra, os verdes vistos do espaço

((o)) eco
http://www.oeco.com.br/geonoticias/25919-no-dia-da-terra-os-verdes-vistos-do-espaco?utm_source=newsletter_371&utm_medium=email&utm_campaign=as-novidades-de-hoje-em-oeco


Em 1970 o primeiro Dia da Terra foi comemorado por 20 milhões de pessoas. Em 2012 o objetivo é mobilizar todo o planeta para as questões do meio ambiente. Criado pelo senador norte-americano Gaylord Nelson, o Dia da Terra foi a culminação de uma série de tendências que começaram nos anos 50 em que os cientistas começaram notar como a industrialização impactava o ecossistema da Terra. Nosso planeta, apesar de constantemente chamado de uma bolinha azul, guarda um lugar especial para todos os tons de verde. Para comemorar este dia, ((o))eco selecionou algumas imagens do Observatório da Terra, cuja missão é compartilhar com o público as imagens, histórias e descobertas sobre o clima e o ambiente que surgem a partir de pesquisas da NASA.

Estas manchas verdes na costa da Namíbia não são causado por algas, e sim pela emissão de gás sulfídrico decorrente da decomposição da matéria orgânica no fundo do mar. Estes eventos são tóxicos para os peixes, e identificados pelos moradores locais graças ao pervasivo odor de ovos podres sentido na região.


O mar se colore de verde ao redor da nova ilha que se forma no Mar Vermelho, fruto de uma erupção vulcânica.


A erupção de um vulcão submarino perto das Ilhas Canárias fez as águas se agitarem com o calor, os sedimentos, as partículas de rochas vulcânicas e minerais durante semanas, criando esta mancha verde de dezenas de quilômetros.


O capitão James Cook e Charles Darwin já haviam relatado a presença dessas longas manchas marrons que contrastam com o verde da Grande Barreira de Corais, na Austrália. Deve ser, provavelmente, uma cyanobacteria capaz de transformar o nitrogênio da atmosfera em amônia, além de remover dióxido de carbono da atmosfera.


Este imenso afloramento de fitoplâncton resistiu por mêses no Mar de Barents, alimentado por uma grande quantidade de nutrientes nas águas geladas do Oceano Glacial Árctico.


O Mar da Pérsia ficou tingido de diversos tons de verde após uma tempestade de areia vinda da Síria e do Iraque. Os ventos perturbaram o fundo do mar e levantaram sedimentos que aumentaram a quantidade de luz do sol refletida pela água.


O ano de 2011 registrou um dos piores afloramentos de alga no Lago Erie, EUA. Esta cyanobactéria causa irritação de pele em seres humanos e é até mesmo capaz de matar cachorros que nadem em águas contaminadas. Uma das causas deste fenômeno foi a proliferação de algumas espécies de mexilhões trazidas nos tanques de lastro de navios, o que afetou o equilíbrio microbiológico das águas da região.


Essas espirais verdes na costa da Antártida intrigou os pesquisadores por um bom tempo, até que um navio de pesquisa foi deslocado até lá e encontrou placas de gelo repletas de algas flutuando no mar.


Até mesmo o Deserto de Taklimakan, o maior e mais seco deserto da China, ganha seus tons de verde durante o verão.


Do alto é fácil entender o motivo da Irlanda ser conhecida como a Ilha Esmeralda.


Friday, 20 April 2012

Roland Barthes: um cético moderno

fapesp
http://revistapesquisa.fapesp.br/2012/04/10/roland-barthes-um-c%C3%A9tico-moderno/


Roland Barthes: um cético moderno

Roland Barthes – 
Uma biografia intelectual
 | Leda Tenório da Motta | Iluminuras / FAPESP
, 288 páginas, R$ 47,00
OLGÁRIA MATOS | Edição 194 - Abril de 2012
Roland Barthes – Uma biografia intelectual, de Leda Tenório da Motta, inscreve Barthes na grande tradição das “morais do grande século”, para logo apresentá-lo na figura mais universal do filósofo. Pois, se nos cortesãos de Luís XIV, La Rochefoucauld detectava em cada vício a máscara da virtude, é por romper com a lógica do incontrovertido em que o ser é e o não ser não é. Neste sentido Leda Tenório da Motta escreve: “A Barthes essas práticas de desmonte do logos que estabiliza coisas instáveis sugerem todo um pautário que, passando pelos drogados baudelairianos postos em beatitude, pela lucidez da hiperconsciência de Monsieur Teste e pelos heróis distanciados de Brecht, vai da crise de Gide à postura zen”. (p. 52)
Desfazendo a oposição binária e o princípio de identidade, a autora mostra de que maneira em Barthes a dúvida não é o “pensamento do negativo” das sínteses hegelianas, porque não se trata de contradição, mas do Neutro. Neutro, observa Leda Tenório da Motta, não é Doxa, o discurso dos lugares-comuns e dos estereótipos da cultura contemporânea, que, ao gosto dos críticos da mídia, define sem definir, dizendo “o gosto é o gosto” ou “Racine é Racine”. Neutro, diversamente, é “ne-uter”, nem um nem outro, e um e outro.
Reavendo a tradição do ceticismo antigo e de Pirro, entre a tensão dos opostos e sua conciliação, a epoché é a “suspensão do juízo”, é o direito de calar-se. O que explica, observa Leda T. da Motta, “em plano prático ou de neutralização ética, seu famoso silêncio em relação ao regime maoista; sua decisão de não julgar o Japão moderno e tecnológico, em seu O império dos signos, para só ficar nos minimalismos da cultura nipônica ancestral; sua escapada para o Marrocos logo depois dos acontecimentos de maio de 1968, cuja cultura partisan o aborrece.” Nem ativa nem passiva, a apathia não é desafeto, mas sobrietas e delicadeza. Com o que Barthes, neste livro, afasta-se das injunções dogmáticas e de suas prescrições. O desejo do Neutro é: “Suspensão das ordens, leis, cominações, arrogâncias, terrorismos, ameaças, exigências, querer- cingir”. Nem ativa nem passiva, a indiferença barthesiana, mostra Leda T. da Motta, é distância com respeito ao narcisismo da imagem que se quer oferecer ao Outro, a que Barthes prefere o retiro que subtrai ao olhar, suspendendo as exigências da socialização. A indiferença é aqui tédio com respeito ao status quo do conformismo, é defesa contra o “acertar o passo” generalizado.
Da poética à literatura, de Rimbaud a Camus, da semiologia ao estruturalismo, do marxismo à indústria cultural, do mito à astrologia, o Neutro barthesiano é a indiferença que reúne a deriva suave à delicadeza, o discreto à nuance. E, como opunctum fotográfico, o Neutro é o pungente que se opõe ao studium, ao “estudado” para “comover”. Acompanhando os sentidos do Neutro, Leda nos mostra que, nesse “cético moderno”, à independência do juízo é também “direito ao cansaço” “no meio do caminho desta vida”, momento disruptivo, punctum final da preparação do romance do último curso de Barthes no Collège de France, de um romance que não será escrito: “Nessas condições”, conclui Leda Tenório da Motta, “como poderia o poeta definir a literatura senão como o grau zero da escritura […], a forma do escritor sem literatura?” (p. 270)
Com extremo rigor e máxima liberdade, Leda Tenório da Motta faz ver no Neutro barthesiano a metafísica da impermanência, a lei do efêmero, a vanidade das coisas e a grandeza do instante. Instante da “vita nova”, ou “a morte do autor”, a vita nova é a morte do autor.
Olgária Matos é professora titular do Departamento de Filosofia 
da Universidade de São Paulo e professora visitante do curso de Filosofia da Universidade Federal de São Paulo.