Saturday, 22 August 2009

AIDIL BORGES





Um agradecimento especial à AIDIL, que me narrou sobre a hospitalidade cabo-verdiana: “querer partir e ter que ficar / querer ficar e ter que partir”, no poético canto das identidades de “ilhas”, que ao se sentirem isolados, também se sentem abertos... Acolhem os que vêm de fora, porque o ato de abraçar é o acolhimento dos que ficam, e que também se abre ao braço que se move na partida.
*..*.
.

6 comments:

Lucia Shi said...

É verdade Michèle, Cabo Verde não teria a mesma cor, sabor e amor sem a Aidil ...

eternamente agradecida pela hospitalidade da cabo-verdiana de Aidil, com saudades mil...

Michèle Sato said...

eu mandei o link pra ela
tomara q ela venha ver esta pequena homenagem nossa a ela

beijos híbridos, querida amiga
*

Michelle Jaber said...

A "morabeza" em pessoa...

Michèle Sato said...

inclusive de quem escreveu...
né mi?

obrigada pelo mimo de passar por aqui e deixar comentário

*

virgínia vicamf além mar said...

este sentimento do abraço que deixa marcas, promessas e lança às novas experiências com esperança ´nos é tão familiar amiga , que linda homenagem
Grata Michèle querida por mais este momento terno e de entndimento profundo,

Michèle Sato said...

eu agradeço muito, VICA
pela sua sensível diferença na minha vida, q a torna mais humana... demasiadamente humana...

beijo nietzscheano
*