Sunday, 16 November 2008

SNAIL TANKA


wearing shell
the house carried heavy
moonlight snail

sometimes moving so gloom
dreaming on the afternoon

~ a snail tanka by mimi
[nov08]
*..*.
.*

Monday, 10 November 2008

TO BRUNO


where i can find the beauty?
you can see by the window

sense of light
non sense of shadow

moving across the mill
reflections and meadow


mimi, to bruno mercier

HAIKAI - vinho


o instante da paixão
nos estilhaços do espelho
dor de tinto vermelho

~ mimi [texto & imagem]


nov08
*,.*
.,*
*






HAIKAI - VAZIOS


vazios da tela
preenchem a memória
no paradoxo da espera


~ mimi
[photo by Porgo]

nov08

*..*.

.*

Sunday, 9 November 2008

HIAKAI - blue sea


heart as a drum
in the infinite blue sea
but you cannot see

~ mimi
[photo by Izan Petterle]
http://www.digitalrailroad.net/petterle/Default.aspx

nov08
*..*.
.*

HAIKAI -PARA SONINHA


brinca a menina
de nuvens, formas e poesias
constrói sua fantasia

mimi, para soninha
[imagem: vlad gerasimov]
http://vladstudio.deviantart.com/art/All-you-need-is-love-62021667



nov2008

*..*.

.*


haikai - lume


na vaga luz da lua
a ave se apaixonou
pelo lume que brilhou

~ mimi [foto de cesar de andrade]
http://photo.net/photos/Cesar%20Andrade

set08
*..*.
.*

haikai - wind


i saw beauty in a thousand whips of air
i feel the colour of the wind
but the lost love, they could not repair


*
collaborative haikai
mimi & nathan
http://ndean.deviantart.com/

photo by cesar andrade
http://cesarandrade.deviantart.com/

[october08]
*..*.
.*

TANKA


TANKA isa Japanese style poetic. Nathan is an English friend and we are celebrating life, writing together!
*


Love or hate
tiny line between them
night for mate


too many thoughts within
this head of radiation


[tanka by mimi & nathan -- image by vlad moldavsky]
http://jude1984.deviantart.com/art/Yalta-46506286

(nov08)
*..*.
.*

cartography



CARTOGRAPHY


an exquisite corpse between

Mimi & Nathan


I started the poem, Nathan has finished without knowing the previous part.



*



Compass thinking pronounces

the north is always the steer

it forgets the labyrinth on the west

or the sun shining on the east

but to the south,

on its sense and non sense

life randomly exists over the corners

and the square makes circular love



To me, I had seen no contours

no wondrous squiggles to take back

my dissonant laughter.

all these confused elements

of the ethereal mind-map.

so, let me see past

those paint-drop trees

let me see into your cartography





(sept08)

*..*.

.*

Sunday, 29 June 2008

EM-CANTO




EM-CANTO

~mimi (para Regina Silva)


Contava os dias

As horas que custavam a passar

No maldito ponteiro

Que Chronos quis perpetuar


Somava incompreensões

Nascer, afinal

Seria por si

Viver em apreensões?


O chão esvaziava

Faltava algo para pisar

Sentir-se segura

Sarar-melhorar-curar


Hospital, injeções, porões

O corpo instituído

Queria a paz

Cansado de tanto ruído


Queria uma verdade

Ainda que inventada

Porque só assim, talvez

A vida fosse cantada


Mas para superar a dor

E vencer as dores da alma

É preciso esperar um tanto

Para ressurgir em-canto!


(abr08)

*..*.

.*

RENGA CARACOL



RENGA é um estilo de poesia japonesa entre dois ou mais poetas acerca de certo tema. Pode ser em forma de frases, versos ou haikai. Em uma madrugada de junho, encontrei-me com o JIDDU, meu grande mestre haikaista! E passamos horas construindo este RENGA.

*


RENGA CARACOL

-- jiddu saldanha & michèle sato --


o caracol me olha

com seu mistério silencioso

antenado



o caracol me gosma

com sua solidão enrolada

espiral



sob uma espiral

o caracol se move lendo

chegou o inverno



folhas caindo

casa se move lenta

caracol esquenta



faz frio na cidade lenta

nos telhados, antenas frias

e um caracol


no flash do instante

dois caracóis antenados

brincam haikai



movem-se a distância

dois caracóis numa árvore

folhas de inverno



linguagens na net

jogos de sóis

caracóis



(JUN08)

*..*.

.*


VIAGENS DE UM CARACOLZINHO




Thiers, amigo querido, poeta enamorado, me fez uma homenagem escrevendo uma poesia... de Caracol! Como resposta agradecida, fiz a imagem em Matisse!

*


SOBRE AS VIAGENS DE UM CARACOLZINHO


Thiers, para Mimi

des enrola
e rola
marola
pula
a bola
redonda
enrosca
o caracol
namora


(JUN08)

*..*.

.*


Sunday, 11 May 2008

CARA-COL


A imagem “CARA-COL” foi feita por 4 mãos e dois corações ciganos: Aluízio & Cícero, amigos queridos que me fizeram uma linda homenagem por meio da arte do desenho. Como tentativa de agradecimento (reconhecendo os limites) tentei responder-lhes na viagem cigana, de travessias erráticas entre os 4 elementos que se fundem com o rito e o mito. Lendo Garcia Lorca, encontrando imagens ciganas de Dali, e essencialmente na leitura da pesquisa do Aluízio, tentei descrever a identidade cigana. Por meio da sensualidade das máscaras, da paixão e cujos nomes dos pintores expressam seus símbolos por eles mesmos, meu enorme:


MUITO OBRIGADA!

FRATERNURAS, TESÕES E LIBERDADE!


.*;..*.;

.*

CARA-COL

imagem: Aluizio & Cícero
texto: Mimi


I. ÁGUA DE MONET

na água que deslizava suave
a espuma levava o esperma
azul na travessia de amar
com o rio encontrando o mar


II. AR DE MAGRITTE

uma brisa tocava os peixes
e o beijo assim foi dado
primeiramente pelos olhos
como nuvens sem ferrolhos


III. FOGO DE VAN GOGH

o vento assoprou a chama
e o lume errático explodiu
como se a paixão imanente
queimasse em mito ardente


IV. TERRA DE DALÍ

encontrou o óvulo em cores
no erotismo no meio do barro
e na terra livre que fecundou
o caracol andarilho assim amou

.*;..*.;
.*..

Wednesday, 7 May 2008

VIVER


Imagem: Rono Figueiredo
(saudades...)


VIVER

~ Michèle Sato



Nasço a cada dia

afundo

subo

desejo


Mergulhada em devaneios

brinco

sonho

gargalho


Refaço em cada momento

aprendo

deliro

vivo


*,.;*

.*

CARACOL DE MANOEL


Na ativides do deserto
que é a vida de uma pedra

a lesma escorre...

ela fode a pedra!


- Manoel de Barros -

.*;,*

.*

Carinhosamente ilustrado pela Soninha

à minha identidade manoelita

.*;,*

.*

Sunday, 13 April 2008

MULHERES DE MATA CAVALO

Nossa homenagem a todas as mulheres,
em especial as de Mata Cavalo
quilombola de MT

Ima & Mimi
*..*.
.*


MULHERES DE MATA CAVALO


Imagem: Imara Quadros
Texto: Michèle Sato


Na frágil história exposta
Mulheres líderes assumem
A luta que não se cansa

Se a dor queima
O sorriso teima
Tímido tom purpúreo

Se a agonia arranha
A mão em luta acaricia
Intenso matiz róseo

Na fé cotidiana
Vigílias e desvelos
No pulsar em Mata Cavalo

(abr08)

*..*.
.*

RAINHAS NEGRAS


Na realização de nossas pesquisas em Mata Cavalo
nossos sonhos, nossas lutas
nossas poéticas!


Ima & Mimi

*..*.
.*



RAINHAS NEGRAS


Imagem: Imara Quadros
Texto: Michèle Sato


Rainhas negras
Com coroas douradas
Nas vidas passadas
Um dia amordaçadas


Rainhas negras
Com lágrimas de dor
Lutando pela flor
Sem batons, nem sabor


Rainhas negras
Hoje em seus mares
Perfumes, cores
E também amores

(abr08)

*..*.
.*

Wednesday, 26 March 2008

ABSTRACT DREAM


Derek Carlson photo at:
http://surrealistcmpsr27.deviantart.com/

*..*.
.*

ABSTRACT DREAMING

Image: Derek Carlson
Text: Michèle Sato


It is raining without rainbow
and the puddle is too full
some goldfishes breach the surface
making bubble, stopping gaze
or swimming so graceful


A tiny steam
leaves the surface
as a surreal painting so fair


The brush of the paint
makes the sky red
and the beauty explodes in the air


It is a parade of colors
feelings, sensation and esteem
wondering whisper as a wind
approaching to the flame of love
sex, desires and abstract dream

(October07)

*..*.
.*


CARACOL ECOLOGISTA

(Publicado na revista SINA, nov07)

*..*.

.*

CARACOL ECOLOGISTA

(Texto e imagem de Michèle Sato)


Será o ambiente…

uma paisagem da geografia;

uma vida da biologia;

uma práxis da pedagogia;

e um olhar da filosofia,


Lá, onde o azul toca o verde

na poeira das estrelas
e no cheiro das gramíneas

uma lenda se move e um mito se abre

na estação propícia que a terra acaricia


Diálogos Fecundos, Espontâneos, Mágicos...


No aceitar a pressa

para florescer no ócio

na sensível escolha

que amanhece sem teto

e adormece sem chão

no tempo que vaza

na incerteza do alicerce

na memória do amor


Assim o Caracol caminha

protegido em sua dureza

sorrindo em sua moleza

para que o ardor da promessa

seja o acalento da esperança

*..*.
.*

Monday, 24 March 2008

PIPA


Manipulação de foto de
http://mental.deviantart.com/art/Blue-Skies-and-Pain-1346746

levemente modificado

*..*.
.*


Lancei meus sonhos
como um menino içando pipas...


No azul do céu,
ele lambeu algodão doce,
viajou em estrelas


e voltou na linha
do horizonte de esperanças



~ Michèle Sato: pipa
(Para Ronaldo Senra, meu pedagogo querido)

*..*.
.*

ORPHEU


Manipulação de imagem, original de Octavian Fiorescu (divine flame)
http://florescu.deviantart.com/art/THE-DIVINE-FLAME-22726420

*..*.
.*

na dança
em círculo
o mito

na superfície lisa
a esfera criava
Eros, o amor

no cósmico
desenho
o rito


no espaço de brisa
o cometa voava
Orpheu, o canto


Gaia...
pela vida
o grito!


~ Michèle Sato: Orpheu
(Para Herman de Oliveira, meu músico querido)

*..*.
.*

MATA CAVALO


O quilombola Mata Cavalo localiza-se em Nossa Senhora do Livramento, MT, e coletivamente junto com o Grupo Pesquisador de Educação Ambiental (GPEA) da UFMT, combatem o racismo ambiental pelos processos de pesquisa, docência e vivência comunitária e sob a regência da Educação Ambiental. O artista plástico Rono Figeueiredo doou esta tela ao GPEA com plenos direitos autoriais ao projeto.

Rono Figueiredo: http://www.ronofigueiredo.blogspot.com/

Conheça mais sobre Racismo e Justiça Ambiental em:
http://www.ufmt.br/gpea/ax%E9_dudu.htm

*..*.
.*

MATA CAVALO

~ Michèle Sato

A memória percorre
entre barbáries
a dor
sangues frios
nas vagas ondas de navios negreiros
a herança

A estrada prossegue
entre pelejas
a luta
lâminas frias
nos opressivos poderes espinheiros
a intemperança

A partilha revive
entre diálogos
o pão
águas frias
nos territórios quilombos justiceiros
a esperança

*..*.
.*

PEDRA E RIACHO

Capa da Revista Brasileira de Educação Ambiental
Brasília, número especial sobre redes
Fotografia e design: Bené Fonteles, artista plástico

http://www.mac.usp.br/projetos/arteconceitual/fonteles.htm

*..*.
.*

A PEDRA E O RIACHO

manhãs de brisa
no verde da mata
um raio de sol

acorda o riacho
espreguiça em dança
banha as margens

na lua cheia
esculpi cantos
e beija a pedra


~ michèle sato, a pedra
esculpida por bené fonteles, o riacho

*..*.
.*

Friday, 8 February 2008

SAL


René Magritte: seducer
*..*.
.*

SAL

- michèle sato -


Mares
de brumas
que não apagaram
a dor

em sal


E um barco
a deriva
no mastro
a marca

de sal
dades


(ago07)

*..*..
.;*